9.10.09

VER

Quantas vezes passamos pelas coisas sem as vermos? Que pressa temos das nossas urgências, que por vezes nos impede de darmos atenção às coisas simples da vida? Nós que pretendemos investigar e ensinar sobre os fenómenos da comunicação, que capacidade mantemos de estarmos ligados à realidade total que nos envolve, e não apenas à que nos agrada? Quem nos segue? Quem nos ouve? Quem nos lê? Talvez que a arte nos possa a ajudar a mantermos um entendimento mais abrangente do mundo em que vivemos, porque da percepção única do artista provém uma realidade para nós escondida. Um poema do José Fanha, do seu livro “Elogio dos peixes das pedras e dos simples”, pode ilustrar essa tentativa. A SENHORA CONCEIÇÃO A senhora Conceição é um pássaro remoto um dinossauro espantado incapaz de usar sapatos por medida. A senhora Conceição tem muita dificuldade em ir a pé ao correio. Tem duas galinhas uma videira pequena agriões batatas e uma dor nas costas já faz para cima de dez anos. A senhora Conceição teve marido e três filhos todos vivos benza-os Deus A senhora Conceição persiste de roupa preta em volta dos coentros e dos cravos e faz de cada couve galega uma bandeira na sua Sierra Maestra de 4 por 5 metros a cheirar a rosmaninho. A senhora Conceição talvez não entenda nada do que eu digo mas é para ela que eu digo e penso para que o seu sorriso bom frutifique à margem da usura.

1 comentário:

Madalena disse...

Belíssima foto, excelente observação e oportuno poema. Mais um reforço inteligente, sob diversos pontos de vista, à constatação de que passamos a vida a olhar sem ver, a ouvir sem escutar, a falar sem dizer.
Quanto à Arte, talvez seja a forma de expressão humana que, nas suas várias dimensões, mais exprime aquilo que de melhor temos, num misto de razão e de emoção, algo que se sente e não se sabe explicar, porque indizível, mas que nos faz vibrar e nos enche a alma de conforto e bem estar.
Na nossa eterna demanda, não podemos deixar passar a Vida ao lado.
Um abraço, meu amigo. E obrigada. Espero continuar a contar com os seus inestimáveis contributos para enriquecer as nossas reflexões e partilhar as nossas vivências.