25.2.10

TEXTURANDO

Olhei, sem tocar, a pele da matéria.
Ressaltavam as texturas, umas mais artesanais outras mais naturais.
Cores de todas as cores, realidade visível de múltiplas formas e tons.
Beijadas de luz, cobertas de sombras, ei-las aconchegadas no registo do meu olhar.
Feitas molduras de memória e álbuns do meu sentir, sem tocar.

9 comentários:

Observador disse...

Sempre visível a sensibilidade e o amor pelas coisas que de uma forma ou de outra constituiem o universo dos artistas.

Gosto do que vejo e leio.

Malena disse...

Mi querida Madalena: La Naturaleza nos regala cada día multitud de visiones que nos hacen felices y despiertan palabras tan llenas de poesía como las tuyas.

Mil beijos e mil rosas.

Lisarda disse...

Texturar: isso fazíam o carteiro Cheval, Picassiette e aínda fazen os anónimos meninos nas praias.
Bonitas imagems e palavras, un saludo.

KImdaMagna disse...

....
...senti texturalmente na pele um arrepio de prazer...


xaxuaxo

AFRICA EM POESIA disse...

vim apenas deixar um beijinho

tenho selo das50.000 visitas para si
um beijo

EMPRESÁRIA DE SUCESSO disse...

Lindíssimo!
Boa semana, bj

Luis Cardoso - Veleiro Big Rider disse...

Madalena, muito bem feitas as fotos. O texto nem se fala. Uma boa semana! Luís Cardoso.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

Um poema feito de imagens e texturas... Goste!
Kandandu

francescbb@hotmail.es disse...

Good shots !!Great blog!!!

http://balapertotarreu.blogspot.com

Frank